segunda-feira, outubro 16, 2006

O APRENDIZADO QUE VEM DA ESTRADA...

Da preparação até agora percorri mais de 4 mil km, passando pelo Pantanal Sul-Mato-Grossense, SP, RJ e MG. No trajeto várias situações, chuvas, neblina, frio, calor intenso, muito trânsito, vi acidentes, rezei, assustei-me, acreditei e tive muito medo também. Hora por auto-estrada tendo como companhia a paisagem, hora no trânsito urbano com toda a sua loucura.
Em SP o pensar e agir a cem por hora; as estatíscas e os casos reais do que se vê por onde anda (são acidentes e muito sofrimento); no Rio a preocupação da violência urbana, cruzar as linhas vermelha e amarela passando por favelas e rotas do tráfico. O esperar pelo desconhecido (como estou contando com ajuda de amigos e amigos de amigos na maioria das vezes só passo a conhecer a pessoa quando já estou na casa dela, rs), descer serras, subir serras, enfrentar o mau tempo e os motoristas malucos. Olhar e ver chão e mais chão...
o olhar...
As paisagens encantam e chocam, com elas o sentimento de querer (mas não poder, nem conseguir) expressar em imagens o que se vê e sente é estranho ( o olhar, o pensamento e o sentimento que não se descreve e não se repete). Por momentos o olhar busca o arquivo de vivências anteriores, busca respostas e levanta outras questões. Dá vontade de voltar aos braços da familia e amigos, e ao mesmo tempo de prosseguir. O coração se arrebenta, se fortalece e o tempo não pode ser mais "compreendido" ou explicado.
Imagino (como o que tenho sentido) como deve ter sido para os militantes políticos em época de ditadura, que iam em busca de seus ideais e do desconhecido (mesmo tendo alguém a esperar, esse alguém muitas vezes era desconhecido, isso pra salvarem a própria vida).
Será que o olhar dos olhos é o mesmo que o olhar da alma?
o que fica disso tudo...
O contato com essa experiência/vivência é algo surpreendente. Ao mesmo tempo histórias de pessoas que levantam sacodem a poeira e vão a luta, de outro lado a crueldade humana. As favelas, o medo, a descoberta, as surpresas, o querer fazer e não poder, o dar explicações, ouvir, sentir, a fragilidade e a complexidade humana. O estar sozinho e entre multidão ao mesmo tempo. Não ter um ombro amigo mas, ser recebido pela solidariedade, a exposição, o crescimento, a partilha, tudo tão intenso e tão junto. É ao mesmo tempo ser forte e fraco, bom e ruim, literalmente se lançar a sorte do destino.
É engraçado: saber o que se quer, para onde ir, mas numa subjetividade não conhecer os caminhos e os caminhantes do percurso. É uma constante de incerteza, de aventura, de medo, de ousadia, de descoberta e ao mesmo tempo de coragem. É estar em contato com a dualidade do ser humano, ir do simples ao complexo em fração de segundos.

13 comentários:

Anônimo disse...

Poxa amigo, como é bom ler o seu diário de relatos, experiências e sensações....de vida, vivência....de aventura!!! Dá pra embarcar na garupa da moto e sentir um pouco do que você está passando.
"No trajeto várias situações, chuvas, neblina, frio, calor intenso, muito trânsito, vi acidentes, rezei, assustei-me, acreditei e tive muito medo também."
E quem não tem medo meu caro, mas vc tem algo mais, coragem de fazer o que muitos de nós gostaríamos, mas não realizamos.
"As paisagens encantam e chocam, com elas o sentimento de querer (mas não poder, nem conseguir) expressar em imagens o que se vê e sente..."
O melhor arquivo é aquele que você carrega dentro de si próprio. Essa bagagem ninguém tira, é só tua, e feliz de nós em compartilharmos um pouquinho disso.
"É ao mesmo tempo ser forte e fraco, bom e ruim, literalmente se lançar a sorte do destino."
Você hoje traçou seu caminho Eduardo, siga em frente, não desista. Sorte, muita sorte, é o que te desejo. Fica com Deus, grande abraço!!!
(Jean Peverari)

Anônimo disse...

É muito bom poder acompanhar tua viagem, assim "tão de perto". Nem o conheço muito bem, mas mesmo assim fico totalmente envolvida com esse projeto. Espero um post ansiosa por saber se vai tudo bem. Eu realmente lhe admiro muito, pois são poucos os que têm toda essa coragem, assim como serão poucos os que terão esse imenso prazer que você pode ter! Isso tudo é tão fantástico, que até parece filme.

Boa sorte.. e até o próximo post!

Andressa

cleber disse...

firmeza irmão, firmeza...

Alberto disse...

Eduardo, que viagem!!! Viagem no sentido literal da palavra, viagem no sentido lúdico das linhas em que descreve suas novas aventuras e emoções. Vira e mexe me pego perguntando: "- Puxa, como estará o Eduardo? Onde andará o meu amigo?". Essa incerteza é algo fascinante e se os horizontes desse país são hoje o seu rumo, desejo que eles sejam floridos por onde quer que você passe.
Te admiro ainda mais que sempre e peço: não deixe de escrever, pois muitos estão aqui, acompanhando sua trajetória e torcendo, torcendo muito. Mantenha este canal de contato e saiba que aguardamos seu retorno, independente da data em que vc escolher. Afinal, amizade não tem data, não tem hora, nem lugar.
Neste momento a loucura está sendo sua principal virtude. Então, se joga!!!!!!
Fica com Deus.

Eduardo Romero disse...

Obrigado Jean, Andressa, Cleber e Alberto.É a maior riqueza de uma de uma pessoa a amizade, sou grato por tê-los nessa condição e agradeço a torcida e força dada. Este blog é nosso canal de comunicação, me digam o que estão achando, perguntem, divulguem, vamos usar a vontade (eu na medida do possível, rs) é muito bom saber que vocês estão sempre alertas e participativos, abrAço e LUZ A NÓS.

Anônimo disse...

Oh, nêgo véio. Aqui é a Lilika!

O que vc ainda tá fazendo aí?

Hum?

Se tiver sem grana pra voltar vou mandar um vale pra vc. Blz?

Fica online!

Anônimo disse...

oi querido eduardo estou com muitas saudades sua um beijo alguem que gosta muito de vc...

Anônimo disse...

oi amigo vc e uma pessoa maravilhosa coneitinui sempre asim um grande beijo pra voce ok ...

de algum que te viu ontem na faculdade em araguaina-to ...

e ja estou com saudades sua....

Preto disse...

Fala garoto, tudo bem? Estamos morrendo de saudades aguardando sua chegada, liga lá para casa pelomenos p/ falar que está vivo. Papai (Rhay) fez uma viagem p/ Cuiba/MT, lá na fazenda do nosso tio já tem um mes que ele foi, ele prometeu vir dia 15/12/06, mas não estou acreditando que ele virá agora. Estamos c/ muitas saudades um abração de seus amigos.Fernando E (preto) e familia.

claudia disse...

boa tarde eduardo tudo bem com voce espero que sim, um beijo pra voce o seu trabalho e maravilhoso de verdade e realmente muito bonito mesmo. um forte abranco...

claudia araguaina -to

natynaele disse...

oi tio estamos com muita saudade tew espero para o natal .................

natynaele disse...

te deixo uma mensagem se DEUS ezige muito de vc sinta se feliz pois DEUS so ezige de quem ele sabe que e capaz de vencer

natynaele disse...

beijos de alice ademar e natynaele romero tchau pereirao te amamos sua familia esta sentido muita saudade e cinto falta das tuas brincadeiras pois nao tenho ninguem para brincar te amo ate logo